Fale com um consultor

Clique aqui

Reajuste de aluguel acima da média: por que e o que fazer?

A análise da economia pode parecer um exercício incomum para muitas pessoas, mas chega um momento em que se ela se torna um elefante branco, impossível de ignorar.


A hora em que o impacto chega diretamente ao seu orçamento financeiro.


Entre todos os cenários nos quais isso pode acontecer, chamamos a atenção para o reajuste de aluguel, que nos últimos meses tem tido aumento acima da média e surpreendido negativamente inquilinos. 


O aluguel – como a maioria dos serviços disponíveis no mercado – sofre reajustes anuais. Para entender as razões pelas quais o índice que regula parte significativa dos contratos de aluguel – o IGP-M – chegasse à variação acumulado de 31,10% de março de 2020 a março de 2021, continue a leitura. Vamos ajudar você a desvendar o mecanismo por detrás do índice.  


O que é o IGP-M?


IGP-M é a sigla para Índice Geral de Preços – Mercado e é calculado pela Fundação Getúlio Vargas. Ele é utilizado para reajuste de aluguel e de algumas tarifas, como a conta de luz.  


O IGP-M considera os seguintes itens:


  • IPA-M (Índice de Preços por Atacado – Mercado): considera preços de produtos agrícolas e industriais no mercado. Representa 60% do cálculo. 
  • IPC-M (Índice de Preços ao Consumidor – Mercado): considera preços de bens e serviços que fazem parte do orçamento das famílias. Representa 30% do cálculo. 
  • INCC-M (Índice Nacional do Custo da Construção – Mercado): considera os custos para construção de imóveis. Representa 10% do cálculo.


O IGP-M considera a inflação de cada um desses indicadores e define um único índice que representa o momento atual da economia brasileira.

Como é possível avaliar, os itens considerados não estão vinculados ao mercado imobiliário. Mas a prática de associar o IGP-M ao reajuste de aluguel é um costume de décadas. 


Mas por que o IGP-M tem subido tanto?


A pergunta que não quer calar. Podemos dividir o motivo da alta do IGP-M em dois grupos:


Pandemia + alta do dólar


O índice que abocanha parte considerável do IGP-M, como já falamos, é o IPA-M. Ele acompanha a alta ou baixa dos preços de matéria-prima como soja, petróleo e etanol. Com a procura por esses produtos aumentou significativamente em todo o mundo, o preço das commidities disparou. 


A alta do dólar ajudou a piorar o quadro, afinal, o Brasil é um grande produtor dos mais variados tipos de commidities e ficou muita mais interessante vender para outros países que atender a demanda interna. Aumentando os preços não apenas do IPA-M, como do IPC-M – segundo em importância na definição do IGP-M.


O que fazer?


Para quem já está preocupado com o reajuste do aluguel em 2021, vale a pena acompanhar a evolução do IGP-M – como o quadro da pandemia ainda afeta o mundo inteiro, talvez a volta a índices pré-pandêmicos seja difícil. 


Porém, algumas ações já foram tomadas pelo Banco Central, com foco em toda a economia: aumento da taxa de juros, para diminuir o poder de compra e controlar a inflação.